terça-feira, 28 de outubro de 2014

'Amor perverso' chega aos palcos cariocas

No elenco da peça 'Amor perverso', Claudia Ohana vive Victoria, Helena Ranaldi interpreta Eva, e Regiane Alves personifica Amapola
Foto:  Pino Gomes/ Divulgação
Ao mergulhar em profunda reflexão interior, uma mulher sente todos os pesares e dores de uma perda amorosa. Primeira obra dramática da autora chilena Inés Margarita Stranger, o texto “Cariño Malo” — traduzido para o Brasil como “Amor Perverso”, expressão extraída da letra de um bolero que se popularizou nos anos 1960 e empresta título à peça — integra a “Antologia Bilíngue de Dramaturgia de Mulheres Latino-americanas”, estudo de gênero lançado em 1996 por Graciela Ravetti e Sara Rojo, que contempla ainda “A Beata Maria do Egito”, de Rachel de Queiroz, e “Del Sol Nasciente”, da argentina Griselda Gambaro.
Carregando uma alta voltagem poética e contornos metafóricos, a segunda adaptação brasileira de “Amor Perverso” expõe os conflitos de uma personagem através de três representações: Victoria, vivida por Claudia Ohana, Eva, interpretada por Helena Ranaldi, e Amapola, por Regiane Alves. Montada nos palcos brasileiros uma única vez, em âmbito universitário, a peça chega ao Teatro do Leblon na próxima terça-feira, dia 28, com direção de Luiz G. C. Valcarazas e produção de Lucia Regina Souza, preservando o frescor do ineditismo.
O pontapé inicial para criar uma montagem para a peça chilena veio há 24 anos, quando o jovem integrante da companhia paulista de teatro de bonecos “A Cidade Muda”, Luiz G. C. Valcazaras, participava do 12º Festival Internacional de Teatro de Manizales, na Colômbia. Lá, o diretor teve contato com “Cariño Malo”, cuja montagem original fazia parte da grade de programação do festival. Desde então, ele guardava o desejo de trazer ao Brasil a sua versão para a corpulenta narrativa. 
Levado à cena quando o general Augusto Pinochet se despedia da Casa de La Moneda, depois de quase duas décadas no poder, o texto joga com imagens e situações fragmentadas, deixando o espectador enxergar através do enredo do amor esfacelado a sombra de uma das ditaduras mais brutais instauradas na América Latina. Em meio às lembranças da protagonista, sobressaem vozes de desaparecidos, que atormentam e condenam seu parceiro a todo instante, interceptando com seu ruído sombrio a comunicação do casal.
No palco do Teatro Leblon, as três atrizes, que contracenam pela primeira vez, se dividem entre representações dos diferentes estados assumidos pela mesma mulher, em seu embate contra o luto da perda que “congelou no desuso cada um de seus sorrisos”. Entre uma fala e outra, a atriz Cláudia Ohana apresenta seus lamentos através de dolorosos cânticos. Ela, que já interpretou inúmeros musicais no teatro, cinema e novelas, empresta vida simultaneamente à protagonista de “Callas”, espetáculo que conta a história da cantora lírica, dirigido por Marília Pera, no Teatro Itália, em São Paulo.
“‘Amores reversos’ é metafórica e não tem uma estrutura linear. A gente se mistura entre as lembranças de forma nada nítida. Nas falas, me reconheço muitas vezes e também muitas pessoas próximas. Acho que todo mundo que já amou se identifica. A peça fala do sofrimento de uma mulher que passa por um término de relacionamento e o medo de passar por isso. É uma história universal”, conclui a veterana.
ONDE ASSISTIR 
A peça estreia hoje terça, dia 28, e segue até 17/12. As sessões acontecem todas as terças e quartas, na Sala Marília Pêra, no Teatro Leblon. Rua Conde Bernadote, 26/loja 104.
Fonte: Brasil Economico

sábado, 4 de outubro de 2014

Boogie Oogie: Vitória pode ser fruto da traição de Beatriz

Divulgação, TV Globo
Divulgação, TV Globo
Pra quem não acompanha Boogie Oogie desde o início, pode ser difícil de acompanhar tantas intrigas, mentiras e reviravoltas nessa novela. E segundo o blog Folhetim, vêm mais surpresas por aí.
Sandra (Isis Valverde) e Vitória (Bianca Bin) foram trocadas na maternidade, portanto, passaram a vida nas famílias erradas. Sandra é, na verdade, filha de Fernando (Marco Ricca) e Carlota (Giulia Gam). Já Vitória é filha de Beatriz (Heloísa Périssé) e Elísio (Daniel Dantas). Ou será que não?
Divulgação, TV Globo
Divulgação, TV Globo
A única certeza é que Vitória é filha de Beatriz, já o pai… Como já foi revelado na trama, a dona-de-casa teve um romance com Paulo (Caco Ciocler) no passado. Infeliz no casamento, ela não resistiu ao charme do vizinho bonitão. Por isso, Vitória pode acabar trocando de pai pela terceira vez, que confusão!

Vale a pena rever de novo? O Rei do Gado será reprisada pela terceira vez


16
Divulgação, TV Globo
Divulgação, TV Globo
O Vale a Pena Ver de Novo continua sendo um problema para a Globo. Com a audiência em queda há algum tempo, a emissora já tentou mudar o horário, reprisou tramas de sucesso de Walcyr Carrasco e João Emanuel Carneiro (Caras & Bocas e Cobras & Lagartos), mas a situação não mudou muito. A solução encontrada foi voltar a apostar nas re-reprises, ou seja, novelas de sucesso mais antigas, que já foram exibidas no mínimo duas vezes.
De acordo com a colunista Patrícia Kogut, a escolhida para substituir Cobras & Lagartos foi O Rei do Gado. A trama de Benedito Ruy Barbosa é de 1996, foi ao ar no Vale a Pena Ver de Novo pouco depois, em 1999 e depois, em 2011, foi a vez da reprise no Canal Viva.
Sendo assim, a história dos Mezenga x Berdinazzi vai ser exibida pela quarta vez. Mas confesso a vocês que eu veria toda ela de novo, nem que seja apenas a primeira fase. Adoro as cenas de Tarcísio Meira e Antonio Fagundes como os eternos rivais Giuseppe Berdinazzi e Antonio Mezenga, acho linda a história de amor proibido entre Giovanna (Letícia Spiller) e Enrico (Leonardo Brício), chorei todas as vezes com a homenagem a Bruno Berdinazzi (Marcello Antony), mais ainda quando o velho Berdinazzi enterrou a medalha do filho, pra esperar que ele nascesse outra vez… Enfim, são tantas cenas inesquecíveis!
O Rei do Gado é uma daquelas novelas clássicas, que marcaram a vida de muita gente. Por isso, vale muito a pena ver de novo, e rever, e “re-rever”, “re-re-re-ver”…

Isabelle Drummond viverá amor proibido com Jayme Matarazzo em novela das 18h

Divulgação, TV Globo
Divulgação, TV Globo
Enquanto o público chora pelo fim do casal “Megavi” em Geração Brasil, Isabelle Drummond já está com um pé na próxima novela das 18h. Destaque em todas as novelas que fez nos últimos anos, a jovem atriz será uma das protagonistas de “Sete Vidas”, trama que estreia no início de 2015.
Para quem curtiu o trabalho de Lícia Manzo em A Vida da Gente, a próxima novela da autora é aguardada com ansiedade. Pelo que já foi anunciado até agora, a história promete ser ótima!
Domingos Montagner viverá o fotógrafo Miguel, que no passado foi doador  anônimo de sêmen. Anos depois, os filhos começam a aparecer, todos em busca de suas verdadeiras origens.
Isabelle Drummond será Júlia, uma dessas filhas perdidas. Estudante de medicina, ela acaba descobrindo que seu tipo sanguíneo não é compatível com o dos pais. Fernando Belo, o noivo morto de Sandra (Isis Valverde) em Boogie Oogie, voltará à telinha como namorado de Júlia.
De acordo com o Extra, a grande polêmica será o amor proibido da personagem de Isabelle por Pedro (Jayme Matarazzo), mais um dos filhos biológicos de Domingos Montagner.
Como o nome da novela já entrega, serão sete jovens gerados com o material genético do protagonista: Além de Isabelle e Jayme, os outros filhos serão interpretados por Bruno Gissoni, Fernanda Vasconcellos, Maria Flor, Thiago Rodrigues e Maria Eduarda de Carvalho.
Não sei vocês, mas eu já estou ansiosíssima pela estreia dessa novela! Amei o texto de Lícia Manzo em A Vida da Gente e no seriado Tudo Novo de Novo. Acho que essa deve ser uma das melhores autoras da nova safra da Globo.

Morre Hugo Carvana

 

Morreu hoje o ator Hugo Carvana, de 77 anos, de câncer. Ele estava internado no Hospital Pró-Cardíaco, no Rio. Ainda não há informações sobre onde ele sera sepultado. Na semana passada, o artista foi homenageado pelo Festival do Rio, com a exibição do filme "Vai trabalhar, vagabundo", que completou 40 anos. Carvana atuou e dirigiu mais de 90 filmes 

Doente, Thiago Fragoso se afasta de “O Outro Lado do Paraíso” e cenas são reescritas

Com o último capítulo marcado para ir ao ar no dia 11 de maio, “O Outro Lado do Paraíso” segue sendo gravada e Walcyr Carrasco, autor do ...