Pular para o conteúdo principal

Morre em SP a atriz Cleyde Yáconis Ela estava internada no hospital Sírio Libanês. Cleyde foi destaque na novela "Passione", do autor Silvio de Abreu.

Morreu nesta segunda-feira (15) a atriz Cleyde Yáconis, de 89 anos. Ela estava internada no hospital Sírio Libanês, na região central de São Paulo.

De acordo com a assessoria do Sírio Libanês, ela estava internada desde outubro de 2012. Ainda segundo o hospital, o corpo será velado nesta terça-feira (16), no distrito de Jordanésia, município de Cajamar, onde será enterrado.
Cleyde Yáconis (Foto: Divulgação/TV Globo)Cleyde Yáconis (Foto: Divulgação/TV Globo)
Em julho de 2010, a atriz sofreu uma queda e fraturou a cabeça do fêmur. Na época, Cleyde passou por uma cirurgia no Hospital Barra D'Or, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, e ficou internada por seis dias.
No mesmo ano, ela foi destaque da novela "Passione", do autor Silvio de Abreu. A atriz interpretou a personagem Brígida. Casada com o rabugento Antero (Leonardo Villar), ela tinha um relacionamento misterioso com seu motorista, Diógenes (Elias Gleiser).

Trajetória
Cleyde Becker Yáconis nasceu em Pirassununga, São Paulo, em 14 de novembro de 1923. De acordo com seu perfil publicado no site da Fundação Nacional de Arte (Funarte), ela cursou enfermagem, com a ideia de se formar em medicina.

Em 1950, foi incentivada por sua irmã Cacilda Becker a trabalhar no Teatro Brasileiro de Comédia (TBC), onde substitui Nydia Licia no papel de Rosa Gonzalez, em “O anjo de pedra”, de Tennessee Williams.
Em 1951, foi  premiada como atriz-revelação do teatro paulista pela Associação Paulista de Críticos Teatrais (APCT), pela peça “Ralé”, de Maximo Gorki. De 1950 a 1964 participou de 35 montagens no TBC.

Em 1958, ao lado de Cacilda Becker, Ziembinski, Walmor Chagas e Fredi Kleeman, fundou o Teatro Cacilda Becker, com a estreia de “O santo e a porca”, de Ariano Suassuna. Em 1965, após desligar-se do TBC, viveu a prostituta Geni de “Toda nudez será castigada”, a convite de Nelson Rodrigues.

No cinema, Yáconis estreou em 1954, com “Na senda do crime”, de Flamínio Bollini Cerri. Ela ainda atuou em filmes como “A Madona de Cedro” (1968), de Carlos Coimbra; “Parada 88 – O Limite de Alerta” (1977), de José de Anchieta; “Dora Doralina” (1982), de Perry Salles; e “Jogo duro” (1985), de Ugo Giorgetti.
Televisão
Yáconis ingressou na televisão em 1966, na TV Paulista, mas foi na TV Tupi de São Paulo em que apareceu em novelas como “O amor tem cara de mulher” (1966); “Mulheres de areia” (1973) e “Gaivotas” (1979). Na Globo, ela atuou em “Rainha da sucata” (1990), “Vamp” (1991) e “As filhas da mãe” (2001). Em 2006, participou de “Cidadão brasileiro”, da Record.
Quatro anos depois, foi destaque da novela "Passione", do autor Silvio de Abreu. A atriz interpretou a personagem Brígida. Casada com o rabugento Antero (Leonardo Villar), ela tinha um relacionamento misterioso com seu motorista, Diógenes (Elias Gleiser).

Prêmios no teatro
Com mais de 30 peças teatrais, sete longas no cinema – o último “Bodas de papel” (2008) -, e mais de 25 participações em novelas, a atriz teve sua vida relatada no livro "Cleyde Yáconis: Dama discreta" (Coleção Aplauso, Imprensa oficial).  Consagrada pelo meio teatral, em 2003, conquistou o Grande Prêmio da Crítica da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) pelo conjunto da obra.

Neste mesmo ano, recebeu o Prêmio Nacional Jorge Amado de Literatura & Arte do Governo da Bahia. Em 2005, foi agraciada com a Ordem do Mérito Cultural do Ministério da Cultura. Por sua interpretação na primeira montagem brasileira de Cinema Éden, de Marguerite Duras, com direção de Emílio Di Biasi, é indicada em 2005 para o Prêmio Shell de Teatro. Em 2006 levou o prêmio de melhor atriz de teatro no Troféu APCA por protagonizar “A louca de Chaillot”, de Jean Giradoux, sob o comando dos diretores Ruy Cortez e Marcos Loureiro.

Sua última aparição no teatro foi em "Elas não gostam de apanhar", montagem de Nelson Rodrigues, que estreou em julho de 2012. Em 2009, foi homenageada com o Teatro Cleyde Yáconis, localizado na zona sul de São Paulo, onde era conhecido antes como Cosipa Cultura.
  •  
  •  
Em imagem de 2005, a atriz Cleyde Yáconis, na época de sua estreia na peça "Cinema Éden", do diretor de teatro Emílio de Biase, na capital paulista. (Foto: Ernesto Rodrigues/Estadão Conteúdo)Em imagem de 2005, a atriz Cleyde Yáconis, na época de sua estreia na peça "Cinema Éden", do diretor de teatro Emílio de Biase, na capital paulista. (Foto: Ernesto Rodrigues/Estadão Conteúdo)
FONTE: G1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Veja como são os atores de ‘Esquadrão Suicida’ sem a maquiagem dos personagens

Esquadrão Suicida está fazendo barulho há pelo menos um ano. Agora que o filme estrou a maioria dos críticos torceu o nariz. E os fãs adoraram. Mas pouca gente conhece o elenco do filme. Além de Viola Davis, Will Smith e Jared Leto, a maioria dos outros atores não é conhecido do grande público. Vamos dar uma olhada então na cara desse povo sem a maquiagem pesada do filme: Arlequina – Margot Robbie Magia – Cara Delevingne Coringa – Jared Leto Pistoleiro – Will Smith Jai Courtney – Bumerangue

O CLONE RESUMO DO PENÚLTIMO E ÚLTIMO CAPÍTULO

Lucas não encontra a casa de Jade. Edna dá a entrevista. Ali e Zoraide se casam. Albieri e Leo vão à festa. Zein, pensando que Leo é Lucas, lhe dá o endereço de Jade. Leo e Lucas se encontram cara a cara na Medina. Leo e Lucas discutem. Leo corre tentando se desvencilhar de Lucas, que o persegue. Zoraide quer trocar o ouro a que tem direito pelo perdão de Jade. Por telefone Júlio conta para Albieri o que Edna disse na entrevista. Albieri fica atordoado. Nazira vê Miro ao longe em um cavalo. Miro chama Nazira para ir com ele e o cavalo foge voando. Alicinha tenta emocionar Aurélio, mas ele não volta atrás. Mel sente medo na hora de sair da clínica. Cecéu convida Nando para a sua formatura. Nando reclama que não consegue mais se concentrar e Cecéu mostra um jornal onde diz que a banda dele está nas paradas de sucesso. A mãe de Regininha não a deixa entrar em casa. Maysa dá o apartamento que havia montado para Mel e Xande. Mel aproveita a família reunida e pede perdão a todos. Tavinho pr…

O CLONE RETA FINAL: NASCE O FILHO DE KARLA

A situação de Tavinho (Vitor Fasano) começa a se complicar em "O Clone". Após chamar a imprensa para registrar o nascimento de Tavinho Jr. no hospital, Odete (Mara Manzan) volta com Karla (Juliana Paes) para casa decidida a cobrar os direitos da filha e do neto. Odete chega a comentar com Noêmia (Elizângela) que já entrou na justiça contra Tavinho e que pretende pedir R$ 15 mil de pensão para o neto. Noêmia estranha e sugere a Odete que ela simplesmente ligue para o pai e "avise na boa". Odete explica que Tavinho não aceitará tão
fácil assim e Karla complementa dizendo que Lidiane (Beth Goulart), a mulher de Tavinho, é muito ciumenta.