quarta-feira, 11 de abril de 2012

Muniz crítica Avenida Brasil

Autores de novela, cada qual, quer babar mais sobre seu ovo, e falar mal do trabalho do colega. E a língua ferina da vez, é Lauro César Muniz. Para o autor daRecordAvenida Brasil, vem com o intuído de falar diretamente com a classe C, apresentando personagens mais pobres. Segundo ele, o público mais humilde tem mais facilidade de entender tramas, que a classe A, e endossou dizendo, que os pobres, gostam de se verem ricos na TV. O autor disse que embora Máscarasseja glamourosa, a classe C haverá de assistir e gostar. Dois pontos chamam atenção à crítica de Muniz ao Em Off do Yahoo. A novela brasileira estava vivendo uma fase arrastada. Ao que tudo indicava era, que o potencial deste mercado estava se perdendo, e nossos escritores não estavam conseguindo inovar. O caminho sensível foi focar na classe C, a que mais assiste TV aberta. Mas quando se fala em classe C, dá a entender que pobre não tem inteligência. Na verdade o padrão brasileiro ainda não permite a muitos assinar canais a cabo, do contrário, o perfil de estrelato já teria mudado há muito tempo. E humildade não tem a ver com pobreza. A trama de uma novela se torna interessante, quando ela é próxima à realidade. Em Fina Estampa tivemos uma mocinha, que foi Griselda, que não era um doce de leite. Se enveredarmos pelo histórico das novelas, veremos, que sempre que busca chegar próximo da realidade, o resultado é outro. Na Record, por exemplo, o maior sucesso da dramaturgia é Vidas Opostas deMarcílio Moraes, que também assinou A Lei e o Crime, e em breve dará vida a Fora de Controle, o seriado da Barra Funda, que mistura CSI Capitão Nascimento. Se a vitrine da Globo aposta na classe C, e o principal horário de novelas da Record aposta noutro segmento, tudo é válido. O contexto da obra, sua produção: início, meio e fim, e quem vai julgar. É inútil fazer previsões de Mãe Diná, antes  do resultado final. Novela é uma obra aberta, que tem sempre dois julgamentos: o público que responde ao trabalho diretamente, e os críticos especializados, que ostentam os status nas feiras internacionais. E outro ponto a considerar, é que ambas as tramas não concorrem. No horário nobre da vênus platinada, a Record aposta com tudo no seu maior sucesso vindo da classe C. Se enveredarmos pelos produtos das concorrentes no horário, veremos, que todas, falam com este público. Fica nítido então, que enquanto produto exclusivamente alternativo, Máscaras deverá tangir a casa dos 20 pontos conforme é a previsão.

Um comentário:

  1. Na minha opinião este autor não deveria criticar uma novela de tanto sucesso! As novelas da Record nunca vai chegar na altura do padrão globo. vamos ver se realmente essa novela vai chegar aos 20 pontos! Assisti o primeiro capitulo e não gostei!

    ResponderExcluir